portalpatos
publicidade
segunda-feira, 21 de janeiro de 2019
POLICIA - 09/01/2019

164 ataques, medo e tropas nas ruas: onda de violência no Ceará completa 1 semana

A série de ataques criminosos contra ônibus, bancos, prefeituras, comércios e prédios públicos que atinge Ceará completou uma semana. Desde quarta-feira (2), o G1 contabilizou 164 ataques em 41 dos 184 municípios cearenses. Para tentar conter a onda de violência em Fortaleza e no interior, o estado recebeu o reforço de tropas da Força Nacional e de policiais da Bahia.

Resumo

Membros de facções criminosas atacaram veículos da frota de ônibus, bancos, postos de saúde, prédios públicos e privados e veículos utilizados em serviços como Correios e coleta de lixo.

Em pichações, os criminosos pedem a saída do secretário da Segurança Penitenciária, Mauro Albuquerque, que prometeu acabar com a entrada de celulares nos presídios e com a divisão nas unidades conforme a facção a que cada preso pertence.

  • Foram 164 ataques em 41 cidades desde quarta-feira (2). Criminosos incendiaram pelo menos 31 ônibus, quatro delegacias e cinco postos de combustível. Também foram usados explosivos em um viaduto e duas pontes na Grande Fortaleza. Na BR-020, um viaduto recebe escoras e está bloqueado para o tráfego de veículos. Os policiais prenderam 185 suspeitos.
  • Criminosos que estão presos afirmam não aceitar a proposta do secretário de acabar com a divisão das facções no sistema penitenciário. Atualmente, cada presídio do Ceará recebe detentos de uma única organização criminosa. Os presos ordenaram que comparsas fizessem uma série de ataques para que o Governo do Estado recuasse das medidas.
  • O governo respondeu que não iria "recuar um milímetro" das medidas contra organizações criminosas. Para combater a onda de ataques, o governador do Ceará, Camilo Santana, pediu apoio ao Governo Federal e ao governador da Bahia, Rui Costa, que enviou 100 policiais militares baianos ao Ceará.
  • Trezentos agentes da Força Nacional foram enviados ao Ceará na sexta-feira (4), e começaram a atuar no dia seguinte. Os ataques permaneceram, e o Ministério da Justiça anunciou o envio de mais 200 agentes. A Força Nacional atua principalmente em Fortaleza e Região Metropolitana, que concentram cerca de 80% dos ataques. Eles formam blitz em "vias estratégicas", já que a maior parte dos ataques são cometidos por criminosos em veículos.
  • No sexto dia de ataques, após ameaça das facções, comerciantes fecharam as portas em algumas regiões da periferia de Fortaleza e Região Metropolitana. Três foram presos pelas ameaças. O transporte público também funciona com frota reduzida e com policiais militares embarcados. Nos bairros onde os ataques são mais comuns também foram suspensos os serviços de coleta de lixo e de entrega de postagens.
  • A sequência de ações criminosas teve início após uma fala de Mauro Albuquerque, que afirmou que iria acabar a entrada de celulares nos presídios e encerrar a divisão de presos nas detenções conforme a facção criminosa a que pertencem.

    • Ataques no Ceará: o que se sabe e o que falta saber
    • Veja a cronologia dos ataques

    Entre a noite de quarta e a madrugada de quinta-feira (5), criminosos incendiaram dois ônibus em Fortaleza e ampliaram as ações também na Região Metropolitana da capital.

    Uma bomba foi explodida em um viaduto na cidade de Caucaia. O local precisou ser isolado e passou por reparos para evitar um desmoronamento.

Portalpatos

Fonte: G1

portalpatos
Leia Também

Comentários


comercial
Panetone da parati 450g chocolate
5R$,99
comercial
Panetone da parati 450g frutas cristalizadas
5R$,99